Consoles

Jaguar

Console da quinta geração dos videogames, o Atari Jaguar foi o último console lançado pela Atari, no final de 1993.

 

A empresa planejava entrar contudo na quinta geração. Para isso ela tinha dois projetos, um principal, para o lançamento de um console de 64bit, e outro secundário, um verdadeiro "plano B", para produzir um console de 32bit, que já tinha até codinome: Panther. O projeto do console de 64bit evoluia bem, fazendo com que a Atari abandonasse o Panther e focasse todos os seus esforços no console que eles acreditavam ter mais capacidade de brigar com a concorrência. Nascia assim o projeto do Atari Jaguar.

 

O console foi lançado em caráter de teste no final de 1993 em duas cidades norte-americanas. Nesse período inicial, as vendas foram muito bem sucedidas. Nesse lançamento prévio, o console tinha uma linha inicial de apenas dois jogos: Cybermorph e Trevor McFur in the Crescent Galaxy, ambos jogos de qualidade duvidosa, que faziam muito pouco no sentido de chamar a atenção do público para o novo console.

 

Apesar disso, as revistas da época faziam matérias bastante generosas com o aparelho, o que fazia com que as expectativas fossem sempre grandes quanto às qualidades que o Jaguar apresentaria. Além disso, o fato de ser o primeiro console de 64bit chamava muita a atenção. Naquela época, a maioria dos consoles do mercado era de 16bit. Os 32bit eram novidade absoluta. Nesse cenário, a Atari surge com um aparelho com o dobro de potência que o top de linha da época (o 3DO). Hoje sabemos que esse lance de quantidade de bit não significa muita coisa em termos de performance, mas era a década de 90, em plena “guerra dos bits”.

 

Chegou 1994 e o console começou a ser distribuído de forma regular em todas as cidades dos Estados Unidos e também na Europa, e em pequenas quantidades no Japão. Aos poucos foram saindo mais jogos para o aparelho, porém nada que realmente mostrasse um console com o quádruplo de potência de um Super Nintendo ou de um Mega Drive. E aí começaram os questionamentos sobre a real quantidade de bit do console, com muitos dizendo que na verdade o Jaguar era apenas 16bit.

 

O Jaguar é composto por cinco processadores, sendo que desses, 2 são de 64bit. Existe dentro do console um processador igual ao do Mega Drive (Motorola 68000), porém esse processador foi construído para ser utilizado para funções como mapeamento de funções de controle e afins. Apesar da existência desses processadores, a arquitetura geral do Jaguar era de 32bit.

 

Com uma arquitetura de hardware bastante complexa para a época, é fácil imaginar a dificuldade que era programar de forma que esses cinco processadores funcionassem ao mesmo tempo, em especial com as ferramentas rudimentares existentes, que complicavam ainda mais a linguagem de programação utilizada pelo Jaguar (Assembly).

 

Diante desse quadro, poucos programadores conseguiam extrair a potência real do aparelho, sendo que a maioria optava pela facilidade de utilizar esse processador do Mega Drive como um processador central, portando jogos de 16bit para o Jaguar. São vários os exemplos de jogos assim: Pitfall Mayan Adventure, Double Dragon V, Fever Pitch Soccer, Flashback e muitos outros.

 

Porém, aqueles programadores que conseguiam fazer os processadores do aparelho conversar entre si, faziam games de primeira linha. O primeiro a conseguir isso foi Jeff Minter, um programador inglês que fez uma releitura do clássico Tempest dos arcades e criou o Tempest 2000 para o Jaguar. O game é um jogo de tiro empolgante com uma trilha sonora de primeira linha. Outro jogo que veio ainda em 1994 e mostrou o poder do aparelho foi o game Alien Vs. Predator. Os gráficos eram incríveis para a época e o game conseguia trazer a atmosfera dos filmes da franquia Alien para o videogame como nenhum outro game havia feito até então.

 

Mas os poucos jogos que faziam jus ao aparelho não foram suficientes para alavancar suas vendas. O Jaguar sofria no mercado por diversas razões: marketing equivocado da Atari, pouca quantidade de lançamentos, além dos já mencionados estigmas de que o console prometia mais do que entregava em termos técnicos. Sem contar jogos realmente ruins que eram lançados, como Club Drive e Checkered Flag, dois jogos de corrida sofríveis para o aparelho.

 

Pra piorar a vida da Atari, no final de 94 chegavam ao mercado o Sega Saturn e Sony PlayStation, praticamente sepultando de vez qualquer esperança da Atari de retomar o protagonismo no mercado. Apesar disso, a empresa ainda tentou uma última cartada em 1995, com o lançamento do Jaguar CD. O acessório adicionava um drive de CD ao aparelho, possibilitando o uso de jogos com Full-Motion Vídeo – FMV, além de games mais ambiciosos, graças à grande capacidade de memória que o compact-disk oferecia na época.

 

Porém o Jaguar CD chegou tarde demais. Em 95 a Atari já estava muito mal das pernas financeiramente e apenas um milagre, que não veio, poderia salva-la. Apenas pouco mais de uma dezena de jogos foram lançados para o acessório, sendo que nenhum se destacava por ter grande qualidade. Com todos esses problemas, a Atari acabou sendo vendida em 1996 e o Atari Jaguar foi oficialmente descontinuado. Apenas 225 mil unidades do Jaguar foram vendidas em todo o mundo segundo a própria Atari, lembrando que o console nunca foi vendido oficialmente por aqui.



Ano Lançamento: 1993

Data / Regiões de Lançamento:

27/06/1994 - Europa
06/12/1994 - Japão
23/11/1993 - Estados Unidos

Fabricante: Atari


A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z - #

Vídeos